Seguidores

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

HÅRD:ON - HÅRD:ON (2016)



                 Sabe aquele momento em que você coloca os olhos na capa do CD, vê o nome da banda e imagina o que vai encontrar? Pois então... Dá pra pensar em outro tipo de música que não seja um hard rock visceral, com uma pegada mais heavy, ao vermos a capa do excelente álbum de estréia do grupo HÅRD:ON? Junte doses generosas de Ratt, Twisted Sister, Van Halen, WASP KISS, Def Leppard, Scorpions, entre outras e você terá em mãos um dos melhores lançamentos do estilo no país nos últimos anos! Lançado pela Shinigami Records, o álbum só vem a reforçar o crescimento e qualidade das bandas que vem adotando o estilo aqui no Brasil.
                          Chris Hoff (vocal), Alex Hoff (guitarra), HP Elliot (guitarra), Rodrigo Bolão (baixo) e Daniel Gohn (bateria) são músicos experientes, com passagens por outras bandas e resolveram colocar suas mais variadas influências á serviço do Hard Rock. E o resultado não poderia ser melhor! Produzido pela própria banda e mixado e masterizado por José “Heavy” Luís, o álbum tem aquela sonoridade “suja”, mas sem exageros, mesclando de forma competente o clima Hard/AOR/Heavy que as composições do grupo pedem. E a capa, apesar de simples, transmite de forma clara e objetiva o que o grupo nos entrega em seu primeiro trabalho.

                    We’re Not Going Home Tonight abre o play trazendo guitarras bem timbradas e melodias que nos remetem aos bons tempos do AOR, mas com uma pegada mais crua, o que acaba por ser um dos diferenciais do grupo, que mesmo apostando aqui numa linha mais “calma” não abre mão de uma pegada mais direta. Em Pole Dance já temos uma veia mais hard n’ heavy, algo que os alemães do Scorpions sempre fizeram com maestria. Aqui, o quinteto paulista mostra conhecimento de causa, tendo em vista a boa variação da composição durante a sua execução. E um belo solo ajuda mais a dar destaque á faixa. Jungle Girl é pesada, talvez a faixa com a veia mais heavy do grupo com mais evidência, mas sem perder aquele clima característico do estilo. A cozinha do grupo, composta por Ricardo e Daniel (baixo e bateria, respectivamente) se destaca aqui pois soube criar uma base pesada dentro da composição de forma criativa. Devil Inside é pura adrenalina, uma vez que alia melodia, velocidade e passagens mais cadenciadas, criando uma atmosfera bem anos 80 (que, não é necessário dizer, mas sempre é válido lembrar, foram os anos anos dourados do hard, não é mesmo?). 

              Are You Afraid Of The Dark possui uma levada mais “moderna”, com guitarras que alternam riffs e não se prendem a nenhum tipo de limitação, o que mostra personalidade por parte da dupla Alex e HP Elliot. Na seqüência, Adrenaline faz jus ao nome e prova que não basta fazer Hard Rock, tem que ter o estilo correndo nas veias. E isso o grupo tem. E de sobra! E o solo inspirado no mestre Eddie Van Halen comprova isso! E então, temos a melhor faixa do trabalho. Mesmo sendo um álbum bastante homogêneo, Liv It Up (The Festival Song) merece ser destacada. Melodia grudenta, refrão bem elaborado, guitarras simples e eficientes, levada cheia de malícia e vocais com aquela “manha” que só os vocalistas de Hard rock possuem. Que faixa legal! Here I Am é mais “suave”, mas mesmo assim mantém a atmosfera alto astral do cd. O encerramento vem com Between The Weed And Whisky, um hard á moda antiga, cadenciado, com linhas de guitarra que buscam inspiração no heavy metal como complemento pra a melodia da estrutura da composição.

                     Resumindo de forma clara: se você é fã de Hard Rock, já passou da hora de reclamar que o Brasil não tem muitas bandas, que são poucos os lançamentos e aquele eterno blá blá blá. O país possui sim, grandes nomes do estilo. Basta ter vontade e procurar que encontramos grupos de qualidade e que não devem nada á algumas bandas lá de fora. E, com toda a certeza, esse trabalho de estréia do grupo paulista HARD:ON é prova concreta disso! Como a própria banda diz no encarte do álbum: ROCK ON WITH HARD:ON!






                    


                     
                 Sergiomar Menezes

Nenhum comentário:

Postar um comentário